Orixá Èsù (Exú)

Durante 12 anos escrevi no Blog Èsù Akèsan, também escrevi Orixás Amor e Fé, hoje ambos fora do ar, resolvi iniciar um novo projeto, um novo perfil no Facebook e uma nova FanPage onde quero tratar sobre Umbanda, Candomblé, Esoterismo, Espiritismo, Wicca e diversos outros temas, não somente a nossa Cultura de Umbanda e Candomblé. Hoje inicio falando sobre meu Pai, Èsù, Orixá ao qual fui iniciado com muito orgulho. Durante o meu início dentro da espiritualidade, eu não entendia muito bem quem era este Orixá, ouvia muitos comentários tais como "imagina ser filhos de Exú", "como pode ser iniciado no diabo?", dentro da minha própria Religião senti o preconceito na pele, é onde eu questiono muitos, como vamos combater a intolerância religiosa se somos intolerantes com nós mesmos?
A partir disso comecei a questionar quem afinal de contas era este Orixá, confesso que li cada coisa estranha, cada definição esquisita, que fui ficando cada vez mais perdido, então resolvi pegar o que eu aprendia com meu Pai de Santo, com o que eu lia e comecei a peneirar cada informação. Através deste procedimento cheguei a seguinte conclusão de que existem diversas lendas, diversas formas de se contarem estas lendas, cada povo africano possui sua própria definição mas sempre com um ponto em comum e assim criei o que eu acredito que seja este Orixá, não quero impor minha opinião, nem ir contra ninguém, mas é o que eu acredito que seja Èsù.
A minha definição seria que infelizmente este Orixá é confundido por alguns com as Entidades de Umbanda, apenas pelo motivo de que este Orixá é o Senhor dos Caminhos, o primeiro a ser chamado antes de qualquer cerimônia.
Este Orixá é o mais humano de todos os Orixás, é o equilíbrio entre o positivo e o negativo, sua semelhança com os seres humanos é maior do que qualquer outra divindade no Candomblé. Èsù ao contrário do que lemos em alguns livros, é um ser brincalhão, mas ao mesmo tempo é dotado de grande responsabilidade. Ele é o senhor dos caminhos, é o auxiliar dos arà-àiyé (seres humanos), é ele quem nos ajuda a ter uma vida melhor, para que possamos alcançar nossos objetivos. É o responsável pela vigia dos Odù, que são os destinos que regem desde o nascimento, os caminhos que escolhemos seguir no Àiyé (Terra). É o responsável por dar aquela apimentada no nosso dia a dia, as provações diárias, para ver se somos merecedores e capazes de concluir nossas missões. É Èsù quem responde ao jogo de Ifá e é de sua responsabilidade transmitir os pedidos feitos a todos os demais Orixás, motivo pelo qual é o primeiro a ser agradado antes de qualquer ritualística. O dia destinado aos rituais de Èsù no Brasil é a primeira segunda-feira do mês. Em determinados lugares as suas festividades são realizadas nos meses de fevereiro e março, variando de casa para casa.
Os fios de contas deste Orixá são montados nas cores vermelha e preta, como também ser nas cores azul escuro com preto, ou também nas cores azul escuro com preto e vermelho, só vermelho, só preto e a união de todas as cores existentes simbolizando que Èsù pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo, que ele é o conhecedor do mundo, de sua criação, que ele conhece a tudo e a todos. Os locais onde podem ser colocadas suas oferendas são a encruzilhada de quatro pontas, caminhos de terra, alto de morro e tantos outros lugares determinados pelo próprio Orixá através de consulta, como também dentro da Casa de Orixá, em um local destinado a Èsù.
Devemos nos lembrar que este Orixá é a representação do elemento Inà (fogo), por este motivo e chamado por muitos de Bará Inà ou Inà (Exú do Fogo), isso significa que ele representa a renovação, a purificação.
Èsù significa lutar pela vida, pela felicidade, sem desistir de nada, mesmo que as dificuldades sejam enormes. Èsù nos ensina que devemos continuar a lutar e a escolher o melhor para termos uma boa estadia na Terra.
Èsù foi gerado por Ajalà a mando de Olórùn (Deus) antes de serem gerados a Terra e a Humanidade. Ajalà pegou uma massa (barro), uma pedra chamada "laterita vermelha" e modelou um ser que possuía forma, tendo mãos, pés, olhos, cabeça e órgãos sexuais. Em seguida ele entregou a Olórùn que deu seu Emì sopro divino dando então vida aquele ser, aquele primeiro ser foi chamado de Yangi. Passaram então a observar seu comportamento, sua forma de agir para assim criarem os seres humanos, por isso muitos consideram que somos parte de Èsù. Existem várias lendas que tratam como ter sido Odúdùwà e outras divindades a criarem Èsù, a que eu adotei é justamente esta que fala de Ajalà. Por ter sido o primeiro a ser gerado,Èsù possui grandes poderes e responsabilidades, ainda mais por ser o mais parecido com o ser humano, pois foi modelado, criado da mesma forma que a humanidade. Ele é o único que além de possuir uma grande magia, um mistério fascinante é ainda por cima o mais humano de todos os Orixás e o que mais pode entendê-los. Se bem observarmos, ele é um companheiro inseparável que nos observa, que entende o que sentimos, que analisa o que queremos e nos ajuda se assim for permitido. Èsù é guardião, é o mensageiro, o protetor, é a vida, a felicidade incondicional, é a satisfação e a realização pessoal. Ele é o sentimento contido em cada ser.
Laróyè Èsù! Èsù Yè! Viva Exú o Senhor de Todos os Cargos.

Èsù :
Yangí - é o Senhor da Laterita Vermelha, este foi o primeiro nome pelo qual Èsù foi chamado após ter sido criado, simboliza a ligação entre o Òrún e o Àiyé (Céu e Terra), é o simbolismo do poder controlador, gerador, é o ser que constrói e destrói ao mesmo tempo. É a construção e reconstrução.
Igba Kéta - O Senhor da Terceira Cabaça, este nome está relacionado ao poder que ele possui em manipular objetos, mudar destinos, castigar, realizar pedidos e tantas outras funções.
Òkòtó - O Senhor do Caracol, este nome está ligado ao poder que ele transmite ao girar, formando assim uma espiral que é capaz de emanar energia para todos os cantos do mundo, considerado por alguns a representação do infinito.
Òdàrà - O Senhor da Felicidade, este nome está ligado a capacidade que ele possui em ajudar a realizarmos um pouco do que desejamos em nossas vidas, a satisfação pessoal.
Òjisè Ebó - O Mensageiro Divino, o responsável por transmitir e executar todos os pedidos.
Eleru - Para alguns é o Senhor do Carrego Ritual, porém vejo como o Senhor da Obrigação Ritual, ou seja, simboliza a responsabilidade que ele possui em abrir cerimônias, sendo ele o protetor das ritualísticas impedindo a influência de qualquer negatividade que possa atrapalhar o ritual.
Olobè - O Senhor da Faca
Elepó Pupa - O Senhor/Dono do Azeite de Dendê
L´Ònà / Ònà - O Senhor dos Caminhos
Orità - O Senhor das Encruzilhadas
Enúgbàrijo - O Senhor da Boca Coletiva, aquele que recebe todas as oferendas.
Akèsan/ Akero - Aquele que se Divide em Nove, fazendo ligação com os 9 espaços do céu, o guardião dos mundos, senhor do mercado de Oyo, é o senhor da missão (Akero), o supervisor do mercado do rei. 

Autor Samir Ferri 
(Samir Castro)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Egum Vivo", o que é? Eu explico

Exú Asa Negra

A Morte e o Pós Morte