A Importância das Velas


O Texto a seguir é formado a partir de visões do autor sobre o uso das Velas.
As Velas nos auxiliam no contato com o plano espiritual,  atuando como uma ferramenta que faz a ligação entre a matéria e o espírito. A Vela é a representação do corpo e o fogo da mesma um elemento de purificação e renovação energética.
As Velas estão presente em todas as ritualísticas dentro da Umbanda e até mesmo no Candomblé, apesar do modismo de "africanização" que tem invadido os Rituais de Candomblé onde alguns não se utilizam das Velas, muitos ainda fazem o seu uso. Como estou dedicando o Texto principalmente a Umbanda, as Velas estão presentes em todos os procedimentos Umbandistas, desde o Congá, a Tronqueira, oferendas, descarregos e todos os procedimentos ritualísticos.
 Quando acendemos uma Vela estamos nos conectando com o mundo espiritual, fazendo assim um ponto de ligação, abrindo uma porta de contato com o invisível, estabelecendo uma conexão mental, conectando o nosso consciente com o subconsciente ativando nossas forças energéticas fazendo com que a mesma interaja com a energia do Orixá ou Entidade.
A concentração da mente, através dos olhares fixos na Vela, ativam a força mágica espiritual fazendo com que a pessoa sinta a presença do Orixá ou Entidade, tendo até reações físicas como arrepios, sensações de presença e até mesmo facilitando  a manifestação corpórea.
De nada adianta acendermos uma Vela se não dermos um objetivo a mesma, através da concentração mental é que damos a função para aquela vela que está sendo acesa, seja para a proteção da casa, retirada de negativo, concentração para incorporação, descarrego ou seja lá o que for, a função real da mesma só é ativada através da definição dada pela saudação ao Orixá ou Guia e a função ao qual ela será utilizada.
A Vela manifesta a força interior de cada ser, assim como pode ter um uso benéfico ela também pode ser usada de forma maléfica por algumas pessoas, as pessoas nem imaginam a força que uma vela bem firmada tem.
As Velas muita das vezes passadas no corpo do consulente pelo dirigente espiritual ou pelo guia tem a função de transferir a força negativa que atua no consulente naquele determinado momento transformando a mesma em nula quando apagada no ar ou quebrada em 3 partes, o intuito é neutralizar a energia negativa. O mesmo ocorre nas questões de saúde, pois a doença nada mais é que uma energia negativa gerada na vida da pessoa.
Quando um Guia ou quando Acendemos uma Vela por súplica, proteção ou agradecimento estamos desejando a positividade, é através da queima do corpo, a vela em si que é feita esta renovação energética, gerando através também da fumaça a emanação de energias positivas para pessoa e ao ambiente.
Uma Vela pode transformar em positivo até a energia do ambiente, tornando um local pesado em leve , ainda mais se unida a copo com água que tem o poder de captar, neutralizar e prender a energia negativa melhor ainda é o efeito provocado pelo uso da vela.
Devemos evitar o uso de Velas quebradas, de velas já usadas, o ideal que a mesma seja virgem, assim conseguimos dar uma real função para ela sem que já exista uma força na mesma, é uma Vela crua, que será energizada, ativada e que não tem nenhuma influência energética anterior.
Os Umbandistas e Candomblecistas mais tradicionais fazem o uso dos fósforos para acender as Velas pois creem que o mesmo contém a pólvora, porém há um certo equivoco.
Leia o Texto a seguir que eu pesquisei para introduzir ao meu:

"Fósforo – um elemento ou um palito?

Escrito por: Miguel A. Medeiros
Escrito em: 26 de dezembro de 2004

Quando se ouve falar de fósforo, o que a maioria das pessoas pensam inicialmente?

Para muitos, a idéia de palito de fósforo ou fósforo de segurança é a primeira coisa que vem em mente. No entanto, poucos podem pensar em: fósforo, elemento químico de número atômico 15, que se encontra na Tabela Periódica, logo abaixo do nitrogênio e ao lado do silício.

Para o dicionário Aurélio, a definição de fósforo é:
Fósforo – do grego phosphóros, “que traz luz”, pelo latim phosphoru.
1-       Quim. Elemento de número atômico 15, não metálico, reativo, com diversos compostos importantes [símbolo: P].
2-       Pequena haste de madeira ou cartão provida de uma cabeça impregnada de substâncias que se inflamam quando atritadas com uma superfície áspera.

Bem, a partir da definição do dicionário, você seria capaz de dizer o motivo pelo qual o palito de fósforo recebe esta denominação?
Acredito que não.

Mas, do quê um palito de fósforo é composto?

O seu corpo é formado de madeira de pinho, ou de papel ou papelão.
A sua cabeça é uma combinação de compostos químicos, predominantemente, KClO3, clorato de potássio.

E o fósforo ... Onde está o fósforo no palito de fósforo?
O fósforo está de fora.
Ele está do lado de fora da caixa dos palitos. A superfície áspera das caixas de fósforo é um combinado de fósforo, sulfeto de antimônio, Sb2S3, trióxido de ferro, Fe2O3 e goma arábica (cola).

 
Esse é o fósforo de segurança, ou palito de fósforo. O palito que não tem fósforo, mas sim, uma substância que se inflama com facilidade ao ser atritada, o KClO3 e não pólvora, como muitos acreditam.

Mas por que o palito de fósforo recebe esta denominação, uma vez que não possui fósforo?
Essa denominação é histórica e se firmou durante anos, pelo fato dos primeiros palitos de fósforo possuírem fósforo em suas cabeças. Essa idéia não foi muito boa, pois os palitos ao se atritarem uns com os outros, incendiavam a caixa. Daí surgiu a ideia de colocar o fósforo do lado de fora da caixa. E o nome se firmou.

E o fósforo, o elemento químico?
Bem, o fósforo foi isolado em 1669, pelo alquimista Henning Brandt, a partir de estudos de amostras de urina. O material obtido pelo alquimista emitia uma luz, e foi a partir daí que surgiu o nome fósforo.
O fósforo (P) não ocorre livre na natureza. Em compostos, ocorre principalmente na forma de fosfatos, tais como a fosforita (Ca3(PO4)2) e a hidroxiapatita (Ca5(PO4)3OH), constituinte de dentes e ossos.
O elemento e os seus compostos são utilizados na fabricação de bombas, pesticidas, fósforos de segurança e ácido fosfórico, H3PO4, ácido bastante empregado como acidulante de alimentos enlatados e em refrigerantes e na produção de fertilizantes.

*O texto e as figuras desta página foram produzidos por Miguel A. Medeiros. A reprodução destes, merece autorização ou referência ao autor. Além do endereço desta página.
 
QuiProcura


Então Podemos concluir que na verdade o uso do fósforo é preferido mais que o uso do isqueiro pois há sensação explosiva, ou seja, a sensação gerada pelo riscar o fósforo e fazer com que surja o fogo; dá a sensação de liberação, de purificação, de limpeza do ambiente assim como a Fundanga (pólvora), então para muitos Umbandistas o uso do fósforo é uma alusão à pólvora, tornando assim um elemento purificador de ambiente.
Não é correto queimar a Vela na parte de baixo da mesma para fixa-la, alguns dizem estar queimando o anjo de guarda, estar queimando o caminho, na verdade o uso destes mitos é para lembrar a pessoa sobre o elemento mais importante que é a concentração, desde o acender ao colocar a Vela, o fato de  coloca-la no altar, no candelabro, no solo ou qualquer outro lugar sem facilitadores, ou seja, evitar a queima de baixo da vela para fixa-la é para nos concentrarmos no que estamos fazendo.

Velas e as Cores

As cores como sabemos possuem seus simbolismos, significados, sendo assim são utilizadas como ferramentas de renovação energética, de proteção e até mesmo para descarregar as energias.
A principal cor das Velas utilizada na Umbanda até mesmo nos Candomblés que adotam o uso das Velas é a cor Branca que está relacionada a Oxalá, a cor branca é a pureza, a sinceridade, o princípio, a cor branca tem a função de proteção, promovendo o equilíbrio, é definida como a cor da luz, a que reflete todos os raios luminosos, é a limpeza e por este motivo é utilizada em diversos procedimentos religiosos.
Veremos o uso de algumas cores, mas antes deixo claro que não faço uma associação das cores com um determinado Orixá ou Entidade, sim falo sobre o significado das mesmas, fazendo uma relação sobre o seu possível uso dentro das ritualísticas, damos sim alguns exemplos de Orixás e Guias, mas sem fazer uma afirmativa sobre a quem pertence cada cor, pois em meu estudo durante esses anos principalmente na Umbanda, dependendo da Região do Brasil, me deparei com situações em que Iansã a cor era Vermelha, outras Amarela e em alguns lugares Laranja, o meu intuito é repeitar todas as formas de culto, cada cozinha com seu tempero :

Preto - Esta cor é associada ao Oculto, ao Mistério, por isso o preto é associado a Morte, mas ao meu ver está relacionado a renovação, a manipulação de energias, por este motivo muitos guias como Exú por exemplo fazem o uso desta cor.  

Vermelho -  O Vermelho está associado a vida, ao sangue, ao amor,a garra, força, a vitalidade, por este motivo vemos o seu uso para Pombagiras por exemplo, para Iansã e tantas outras Divindades e Entidades.

Azul - esta cor é o bem estar, o raciocínio lógico, o poder de eliminar energias negativas, por este motivo vemos esta cor associada ao Orixá Ogum por exemplo, mas podendo também ser utilizada por diversas entidades e rituais.

Amarelo - Esta cor representa a leveza, o otimismo, criatividade, o calor, a riqueza, a abundância de riqueza, renovação das esperanças, otimismo e tantos outros significados e por isso é associado muita das vezes a Oxum

Verde - É a harmonia, o reequilíbrio, representando as energias da natureza, a esperança, a confiança, a fartura e por este motivo é associada aos Caboclos e a Oxossi.

Marrom - É a consciência, responsabilidade, disciplina e justiça. Por isso muitos associam a Xangô

Azul Claro - Está relacionado ao céu, as alturas, ao pensamento, por isto é associado a espiritualidade, ao reequilíbrio espiritual, a pureza, muito associado a Erê na Umbanda.

Lilás e Roxo -  Ambas as cores representam o respeito, a purificação, devoção, piedade, sinceridade, espiritualidade, transformação por este motivo é muito associado a Nanã.

Rosa - É a pureza, a sinceridade, fragilidade, delicadeza, inocência, compaixão também muito associado aos Erê na Umbanda.

Laranja - A cor do movimento, da segurança, da comunicação, da mudança, encorajamento, da atração e da transformação. Por isso associada por muitos a Boiadeiro.

Estes são apenas alguns exemplos, podemos também concluir que, as cores usadas em conjunto, ou seja, as velas mistas, elas possuem um grandioso simbolismo energético, pois possuem uma função dupla em suas definições de cores, por isso é importante conhecermos os significados das velas, unido a força do pensamento, a concentração e a disciplina. Assim as energias podem atuar em nossas vidas da forma correta.
O ato de acender Vela, seja a Vela comum para o momento, ou 7 dias, ou 21 dias quando queremos deixar iluminada, irradiada aquela energia durante uma duração maior de tempo exercendo a sua função energética, este ato deve ser acompanhado de alguns procedimentos simples, passar a mão na vela, mentalizando o que deseja antes de acende-la, ao acende-la e ao coloca-la no local ao qual a mesma ficará é importante, pois gera-se um elo, um contato, sendo assim a concentração, a ligação ou a conexão entre você e a espiritualidade estará fortalecida.
Lembre-se tudo está na concentração, está na mente, está no procedimento, acender uma vela por simplesmente acender não terá valor e não terá o seu real efeito.

Samir Castro


Comentários

  1. no hablo portuguez pero entendi bien el articulo tengo muchos enemigos..se que me prenden velas he soñado con eso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. amigo(a)
      escribir mi e-mail para contacto
      akesan@live.com

      Excluir

Postar um comentário

Comente nossas postagens! É importante para nossa Equipe!

Postagens mais visitadas deste blog

Exú Cainana

Curiosidades - Exú Brasinha