Crianças e Espiritualidade


Crianças e Espiritualidade


O tema que apresento hoje é de uma polêmica extrema dentro da nossa religião e possui diversas opiniões entre os membros de nossa comunidade religiosa. Tentarei expressar a minha visão sobre este tema.
Geralmente as crianças possuem uma facilidade para ver, ouvirem e até mesmo conversarem com espíritos. Esta facilidade deve-se a diversos fatores, um deles é a própria ingenuidade da criança, a inocência, a criança é a pureza, pois não está dotada de maldade e por este motivo cria uma facilidade de entrar em contato com o mundo espiritual. É sempre bom estarmos atentos a esta questão, pois da mesma forma que elas possuem um contato com espíritos considerados evoluídos pode-se haver um contato com espíritos negativos.
Alguns Zeladores e Zeladoras de Umbanda e Candomblé recomendam certos cuidados e trabalhos. Muitos indicam o batizado em suas religiões, oferendas e ritualísticas para a proteção das crianças. Muitas das vezes a criança não possui controle sobre a sua mediunidade, ainda mais quando ela é muito aflorada. Muitos consideram que até os sete anos de idade está condição desaparece, mas em alguns casos pode durar por uma vida inteira,  que faz com que as mesmas venham a ter responsabilidades e caminhos a cumprir mesmo tão cedo em nossas Religiões, se tornam assim grandes membros no futuro possuidores de cargos religiosos no Candomblé por exemplo.

Amigos Imaginários?

É comum que as crianças em determinadas fases tenham amigos imaginários, alguns são realmente de suas imaginações, outros em alguns casos não são tão imaginários assim e podem até mesmo se apresentar de forma perigosa na vida das crianças influenciando em seus comportamentos referente a família e até mesmo no que se refere a saúde das crianças. Algumas crianças relatam ouvirem vozes ordenando que ajam de algumas maneiras não muito boas, até mesmo que tenham atitudes agressivas e violentas.

É possível a manifestação corpórea em crianças?

É possível que ocorra a incorporação nas crianças até mesmo de forma involuntária devido a sua facilidade com o contato com o mundo espiritual, até mesmo no que se refere a influência negativa.  Por isso devemos estar atentos em mudança de fisionomia, mudanças de comportamentos e buscarmos sempre orientação espiritual nestes casos.

Existe a necessidade da iniciação no Candomblé?

A iniciação é um renascimento, é a entrada para uma nova vida, que requer procedimentos e ritualísticas. A necessidade da iniciação se apresenta sempre de forma diferente para cada ser, o que vai determinar se uma criança deve ser iniciada é a vontade do Orixá, que é sempre absoluta e os acontecimentos a volta de uma criança. As questões sobre saúde, mediunidade extremamente aflorada, a necessidade que a mesma aprenda a lidar com tais questões e tantos outros fatores que fazem com que realmente tenha que ser iniciada. E isso não corre só no Candomblé, mas também na Umbanda, onde muitas crianças desenvolvem por estas mesmas questões.
O que eu posso concluir, é que tudo é normal, possível e fácil de ser solucionado. Cabe aos pais e principalmente aos Zeladores e Zeladoras ao serem procurados para auxiliar estes casos terem paciência e buscarem as melhores respostas através do Jogo de Búzios ou dos Guias caso pertençam a Umbanda para solucionarem estas questões. Muitas crianças podem levar para o resto da vida dons tais como de ouvir, ver, falar, premonições e tantos outros.
"Não podemos mudar o caminho de ninguém, cada um tem o seu caminho, cada um possui a sua missão."


Samir Castro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exú Cainana

Curiosidades - Exú Brasinha